A Austrália quer que o Facebook seja responsabilizado por comentários anônimos

O primeiro-ministro australiano descreveu na quinta-feira a mídia social como um “palácio dos covardes” e alertou que as plataformas digitais, incluindo o Facebook, devem ser responsabilizadas por comentários difamatórios postados anonimamente.

Comentaristas anônimos que usam a mídia social para difamar e intimidar se tornaram o mais recente campo de batalha entre o governo do primeiro-ministro Scott Morrison e os gigantes da tecnologia dos EUA. O governo quer que os usuários de mídia social sejam obrigados a se identificar.

  • Projeto Mulheres
  • Renovation Master School
  • Imobiliária Homestation
  • Publicidade e Marketing digital
  • Educação financeira e curso de investimento

A Austrália aprovou neste ano leis que obrigam o Google e o Facebook a pagar pelo jornalismo. A Austrália também desafiou as empresas de tecnologia ao criar uma lei que poderia prender executivos de mídia social se suas plataformas transmitissem imagens violentas.

Morrison disse que plataformas que não revelam a identidade de pessoas que postam comentários difamatórios devem ser responsabilizadas por esses comentários.

“Covardes que vão anonimamente às redes sociais e difamam as pessoas, e as assediam, intimidam e se envolvem em declarações difamatórias, eles precisam ser responsáveis ​​pelo que estão dizendo”, disse Morrison.

“A mídia social se tornou um palácio de covarde onde as pessoas podem simplesmente ir lá, não dizer quem são, destruir a vida das pessoas e dizer as coisas mais sujas e ofensivas às pessoas, e fazer isso com impunidade”, acrescentou.

Seus comentários ocorrem no momento em que os governos estaduais e territoriais australianos estão correndo para reescrever suas leis de difamação depois que a Suprema Corte estabeleceu um precedente para a era da internet no mês passado, determinando que os meios de comunicação podem ser responsabilizados por comentários difamatórios postados por terceiros em suas páginas do Facebook.

O tribunal não decidiu se o Facebook também era responsável porque a plataforma não estava sendo processada.

O precedente se aplica aos administradores de todas as páginas do Facebook, incluindo governos. O governo do estado da Tasmânia bloqueou comentários de seus sites de mídia social e a organização de notícias norte-americana CNN excluiu os australianos de sua página no Facebook.

O ministro das Comunicações, Paul Fletcher, disse na quarta-feira que a revisão nacional das leis de difamação provavelmente examinará se o Facebook deve ser responsabilizado pelas postagens dos usuários.

O Facebook disse em um comunicado que apoia a “modernização das leis de difamação uniformes da Austrália e espera por maior clareza e certeza nesta área”.

Morrison disse que a necessidade de plataformas para identificar comentaristas é um objetivo ao qual seu governo se “inclinará ainda mais”.

 

Fonte: mainichi