Apenas 9% das pessoas em todo o Japão querem jogos de Tóquio realizados como programado

Apenas 9% das pessoas em todo o Japão querem jogos de Tóquio realizados como programado

Apenas 9% das pessoas em todo o Japão pesquisadas pelo Mainichi Shimbun e pelo Centro de Pesquisa Social em 13 de março disseram que os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio devem ser realizados como programado, enquanto 32% disseram que deveriam ser cancelados.

Em resposta a uma pergunta sobre os Jogos de Tóquio, prevista para este verão, 32% dos entrevistados — o maior grupo — responderam que “deveriam ser cancelados”, e 17% disseram que os jogos “devem ser adiados novamente”. Aqueles a favor de ir em frente com os jogos como programado permaneceram baixos em 9%, enquanto 21% disseram que “eles devem ser mantidos sem deixar entrar espectadores do exterior”, e 15% disseram que “eles devem ser mantidos sem deixar entrar nenhum fã, incluindo aqueles que vivem no Japão”. Seis por cento dos entrevistados responderam que “não sabem”.

  • Renorn Network Internet
  • Publicidade e Marketing digital
  • Renovation Master School
  • Imobiliária Homestation
  • Projeto Mulheres
  • Educação financeira e curso de investimento

O governo japonês tem mantido a intenção de realizar os Jogos Olímpicos de Tóquio, e está organizando para renunciar a aceitar espectadores do exterior, considerando a propagação do coronavírus. O governo não chegou a uma conclusão sobre se as restrições devem ser impostas aos torcedores domésticos, o que resultaria em jogos sem espectadores. Embora os números não possam ser simplesmente comparados à diferença dos métodos de pesquisa, uma pesquisa de junho de 2020 encontrou 59% dos entrevistados dizendo: “Acho que os jogos não podem ser realizados”, superando em muito os 21% que indicaram sua crença de que serão capazes de serem realizados.

Quando questionados sobre as mudanças no estado das finanças domésticas após um ano se passaram desde a disseminação do coronavírus, 32% disseram que sua situação monetária “piorou”, 65% disseram que “não mudou”, e 3% responderam que “melhorou”. Discriminados pela ocupação, 50% dos “trabalhadores autônomos” ou “trabalhadores autônomos” e quase 40% dos “trabalhadores não regulares” responderam que sua situação financeira piorou. Quanto aos “trabalhadores regulares” e “cônjuges que ficam em casa”, 30% reivindicaram um impacto negativo nas finanças domésticas, enquanto quase 30% dos “desempregados” responderam da mesma forma.

Enquanto isso, para uma pergunta perguntando se eles pretendiam continuar atentos à incorporação de medidas anti-coronavírus em suas vidas diárias, 78% responderam que “planejam continuar” fazendo isso. Dezoito por cento expressaram sua intenção de “gradualmente adotar uma abordagem relaxada”, e 2% disseram que “já estão relaxando as medidas”. Um por cento dos entrevistados também disse: “Não estou ciente de tomar medidas anti-coronavírus.” Embora muitas pessoas valorizem continuamente medidas preventivas contra a infecção, também parece haver um certo número de indivíduos que se cansaram de tomar medidas de autocontenção por longos períodos.

Ao longo de cinco anos se passaram desde a implementação da lei de promoção do avanço da carreira feminina, que exige que grandes empresas, o governo nacional e municípios locais estabeleçam metas numéricas para a contratação de mulheres em cargos gerenciais. Para uma pergunta que pergunta aos entrevistados se eles acham que houve progresso na participação das mulheres na sociedade japonesa, 37% responderam “não houve avanço”, enquanto 47% disseram: “houve uma melhora, mas é insuficiente”. Apenas 16% disseram que “houve progresso suficiente”. Quando vistos por gênero, aqueles que indicaram “nenhum progresso” representaram 33% dos entrevistados do sexo masculino e 43% de suas contrapartes femininas. Vinte por cento dos homens responderam que houve “progresso suficiente”, enquanto apenas 9% das mulheres deram tal resposta, mostrando uma ampla diferença entre as opiniões de mulheres e homens.

Em relação à implementação de um sistema que permite que os casais escolham entre ter os mesmos sobrenomes ou separados, 51% foram a favor da escolha, enquanto 23% foram contra e 26% disseram que “não têm certeza”.

 

Fonte: Mainichi