Após as Olimpíadas atingidas pelo vírus, o público se dividiu sobre os jogos futuros no Japão

O público japonês parece dividido em relação a hospedar as Olimpíadas novamente no futuro, enquanto quase 40% dos entrevistados acham que foi bom que os Jogos de Tóquio foram adiante, apesar da pandemia, mostrou uma pesquisa do setor privado recentemente.

A pesquisa online do Nomura Research Institute também descobriu que cerca de 45% dos entrevistados em Tóquio e suas áreas próximas, onde a maioria dos locais de competição estavam localizados, disseram que era “a jogada certa” realizar os jogos sem espectadores.

  • Publicidade e Marketing digital
  • Educação financeira e curso de investimento
  • Projeto Mulheres
  • Imobiliária Homestation
  • Renovation Master School

A disseminação do COVID-19 representou um desafio assustador para os organizadores que realizaram as Olimpíadas de 23 de julho a 8 de agosto, apesar da oposição pública e da preocupação de que se tornasse um evento superdimensionado. Os espectadores estrangeiros foram barrados.

Questionados se o Japão deveria sediar as Olimpíadas novamente no futuro, 36,3% na pesquisa cobrindo 3.564 pessoas foram positivas sobre a perspectiva, enquanto 36,0% foram negativas. Cerca de 27,7 por cento não eram nem a favor nem contra o Japão, que sediou os jogos novamente.

Os organizadores dos jogos e o governo japonês procuraram tranquilizar um público cauteloso com a promessa de oferecer jogos “seguros e protegidos”. O primeiro-ministro Yoshihide Suga, que enfrentou uma enxurrada de críticas pela forma como seu governo lidou com a pandemia do coronavírus, está deixando o cargo no final deste mês em meio a um declínio do apoio público.

Um total de 38,8 por cento disse que foi “muito bom” ou “bom” que as Olimpíadas foram realizadas, enquanto 30,5 por cento disseram que os jogos deveriam ter sido cancelados.

Patrocinadores corporativos também tiveram dificuldades para decidir como se posicionar em meio a preocupações com possíveis danos à reputação. No Japão, a Toyota Motor Corp., um patrocinador de primeira linha, decidiu não transmitir comerciais de TV relacionados às Olimpíadas. Os presidentes das empresas também se abstiveram de comparecer à cerimônia de abertura, pois a continuidade dos jogos ainda era uma questão polêmica.

A pesquisa Nomura realizada em 24 de julho e 8 de agosto não encontrou nenhuma mudança significativa na percepção pública dos patrocinadores corporativos antes e depois das Olimpíadas.

Antes do grande evento esportivo, 49,9 por cento tinham percepções favoráveis, enquanto 50,2 por cento tinham percepções negativas. Os números correspondentes foram 48,8% e 51,2% após as Olimpíadas, respectivamente.

 

Fonte: mainichi