China diz que é ‘imparcial’ com a Ucrânia e nega ajuda à Rússia

A China disse nesta terça-feira que sua posição sobre o conflito na Ucrânia é “completamente objetiva, imparcial e construtiva”, e repetidas acusações de que os EUA estão espalhando desinformação sobre relatos de que Pequim respondeu positivamente a um pedido russo de suprimentos militares.

Pequim se recusou a criticar a Rússia por sua invasão da Ucrânia, ou mesmo a se referir ao conflito como uma “guerra”.

  • Projeto Mulheres
  • Publicidade e Marketing digital
  • Imobiliária Homestation
  • Educação financeira e curso de investimento
  • Renovation Master School

Os comentários do porta-voz do Ministério das Relações Exteriores Zhao Lijian vieram depois que o conselheiro dos EUA Jake Sullivan e o conselheiro sênior de política externa chinesa Yang Jiechi se encontraram em Roma na segunda-feira, com o governo Biden cada vez mais preocupado com o fato de a China estar usando a guerra na Ucrânia para promover o interesse de longo prazo de Pequim em sua competição com os Estados Unidos.

Também na terça-feira, o embaixador da União Europeia na China, Nicolas Chapuis, pediu que a China apoie a Ucrânia. “Não pode haver a chamada neutralidade”, disse ele.

Falando a repórteres em um briefing diário, Zhao disse que os “EUA criaram e espalharam desinformação… Isso não é apenas antiprofissional, mas também imoral e irresponsável”.

“O que os EUA deveriam fazer é refletir profundamente sobre o papel que desempenharam no desenvolvimento e evolução da crise na Ucrânia, e fazer algo prático para aliviar a tensão na Ucrânia”, disse ele, acenando para a afirmação da China de que a Rússia estava provocada pela expansão da OTAN e ameaças à sua segurança.

Em sua reunião com Yang, Sullivan buscou clareza sobre a postura de Pequim, alertando os chineses novamente que a assistência à Rússia – incluindo ajudá-la a evitar sanções impostas pelo bloco liderado pelos EUA – seria cara para eles.

O Kremlin negou relatos de que solicitou equipamentos militares chineses para uso na guerra.

De acordo com as preferências russas, Zhao se referiu à guerra como a “questão da Ucrânia”. Pequim também se opõe a sanções que estão afetando a economia russa.

Zhao repetiu as afirmações de que a China estava “profundamente entristecida” pela “situação de hoje” e disse estar comprometida em promover negociações de paz.

“A posição e a declaração da China sobre a questão da Ucrânia são completamente objetivas, imparciais e construtivas”, disse Zhao. “Temos um objetivo claro, que é promover a desescalada da situação e acabar com o conflito o mais rápido possível”.

Zhao também disse que um terceiro lote de ajuda humanitária enviado pela China para a Ucrânia chegou à Polônia na segunda-feira.

Em seus comentários, Chapuis, da UE, instou a China a apoiar a Ucrânia e “ajudar a Europa a parar a guerra”.

“Realmente pedimos a todos os nossos amigos chineses que identifiquem o agressor e apoiem a vítima”, disse o embaixador em uma mesa redonda organizada pelo Centro para a China e a Globalização, um think tank com sede em Pequim.

 

Fonte: mainichi