Cientista japonês premiado com Nobel por lâmpada led morre aos 92 anos

Isamu Akasaki ganhou o prêmio de 2014 com outros dois cientistas, Hiroshi Amano e Shuji Nakamura Foto: AFP/Arquivo

Cientista japonês premiado com Nobel por lâmpada led morre aos 92 anos

O ganhador do Nobel japonês Isamu Akasaki, que ganhou o prêmio de física por iluminar led pioneiro e eficiente em energia – uma arma contra o aquecimento global e a pobreza – morreu aos 92 anos, informou sua universidade na sexta-feira.

Akasaki ganhou o prêmio de 2014 com outros dois cientistas, Hiroshi Amano e Shuji Nakamura. Juntos, eles desenvolveram o diodo emissor de luz azul, descrito como uma invenção “revolucionária” pelo júri do Nobel.

  • Renovation Master School
  • Imobiliária Homestation
  • Projeto Mulheres
  • Renorn Network Internet
  • Educação financeira e curso de investimento
  • Publicidade e Marketing digital

Ele morreu de pneumonia na manhã de quinta-feira em um hospital na cidade de Nagoya, de acordo com um comunicado no site da Universidade Meijo, onde Akasaki havia sido professor.

As lâmpadas LED duram dezenas de milhares de horas e usam apenas uma fração de energia em comparação com a lâmpada incandescente pioneira por Thomas Edison no século XIX.

Diodos vermelhos e verdes já estavam por aí há muito tempo, mas elaborar um LED azul era o Santo Graal, pois todas as três cores precisam ser misturadas para recriar a luz branca do Sol.

O trio fez sua descoberta na década de 1990, depois de três longas décadas de trabalho obstinado, quando eles conseguiram persuadir feixes azuis brilhantes de semicondutores.

“Suas invenções eram revolucionárias. Lâmpadas incandescentes acenderam o século 20. O século 21 será iluminado por lâmpadas led”, disse o júri do Nobel em 2014.

Além de fornecer a peça faltante do quebra-cabeça para lâmpadas brancas brilhantes, seu avanço também ajudou a desenvolver as telas led coloridas usadas em smartphones e uma infinidade de tecnologia moderna.

Depois de ganhar o prêmio, Akasaki deu conselhos para jovens pesquisadores: “Não se deixe enganar por assuntos da moda. Faça o que quiser, se é realmente o que você quer fazer.

“No início, dizia-se que isso não poderia ser inventado durante o século 20. Muita gente saiu (do projeto de pesquisa), mas eu nunca pensei em fazê-lo”, disse ele.

Nascido em 1929 em Kagoshima, no sul do Japão, Akasaki formou-se na prestigiada Universidade de Kyoto em 1952.

Depois de trabalhar por vários anos como pesquisador na Kobe Kogyo Corporation , agora Fujitsu – ele começou sua carreira acadêmica na Universidade de Nagoya em 1959.

Em uma entrevista publicada pela Universidade Meijo em 2010, ele descreveu a luta do trio para ganhar reconhecimento por seu trabalho.

“Quando anunciamos em 1981 resultados que eram importantes naquela época em uma conferência internacional, não houve reação. Eu me senti sozinho no deserto”, disse ele.

“Mas eu estava determinado a não desistir desta pesquisa, mesmo que eu estivesse sozinho.”

 

Fonte: Japan Today