Comandante do porta-aviões do Reino Unido visita o Japão e ressalta parceria

O comandante do porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth disse na terça-feira que a primeira escala no Japão por seu grupo de ataque reforça o objetivo da Grã-Bretanha de aumentar sua presença na região Indo-Pacífico e seu compromisso de fortalecer ainda mais sua parceria com o Japão.

A visita ocorre em um momento em que o Japão busca expandir sua cooperação militar além de sua aliança tradicional com os Estados Unidos, à medida que a marinha da China se expande e pressiona cada vez mais suas reivindicações territoriais.

  • Renovation Master School
  • Projeto Mulheres
  • Imobiliária Homestation
  • Educação financeira e curso de investimento
  • Publicidade e Marketing digital

A Rainha Elizabeth participou de um exercício conjunto com navios de guerra dos Estados Unidos, Holanda, Canadá e Japão antes de chegar a Yokosuka no sábado. O exercício foi parte dos esforços para alcançar uma visão “Indo-Pacífico livre e aberta” liderada por Washington e Tóquio.

A visita do grupo de ataque “incorpora a inclinação (da Grã-Bretanha) ao Indo-Pacífico, marca um retorno à presença duradoura do Reino Unido na região”, disse seu comandante, o Comodoro Steve Moorhouse, em uma entrevista coletiva online. Isso demonstra “o compromisso do Reino Unido em investir em nossa parceria com o Japão”, disse ele.

Moorhouse disse que eles foram “escoltados e seguidos por unidades chinesas, o que é esperado” durante o exercício conjunto, mas o encontro com a marinha chinesa foi “seguro e profissional”.

A embaixadora britânica no Japão, Julia Longbottom, disse que a tendência do Indo-Pacífico não é apenas sobre segurança.

“Reconhecemos a mudança no poder mundial e no crescimento econômico na região do Indo-Pacífico e estamos adaptando nossa postura”, disse ela na mesma entrevista coletiva. “Também queremos trabalhar com a região do Indo-Pacífico para enfrentar os desafios globais”, como a pandemia e a mudança climática.

O Japão está cada vez mais preocupado com a crescente influência militar da China na região, bem como com a escalada das tensões de Pequim com Taiwan e a rivalidade com os Estados Unidos. O Japão tem protestado repetidamente contra a China por sua maior atividade perto das ilhas Senkaku, controladas pelos japoneses, que também são reivindicadas pela China, que as chama de Diaoyu.

O ministro da Defesa japonês, Nobuo Kishi, que visitou Yokosuka na segunda-feira e se encontrou com Moorhouse a bordo do Queen Elizabeth, disse que a atenção dada pela Grã-Bretanha e outros países da Europa às tentativas “unilaterais” da China de mudar o status quo nos mares do leste e do sul da China contribui para a paz e estabilidade na região.

O grupo de ataque partiu da Grã-Bretanha em maio. Encomendado em 2017, o HMS Queen Elizabeth é o maior e mais poderoso navio de guerra da Grã-Bretanha. É capaz de transportar até 40 aeronaves, como caças stealth F-35, de acordo com a Marinha Real.

 

Fonte: mainichi