Em meio à oposição, Suga diz que ‘nunca colocou olimpíadas em primeiro lugar’

Em meio à oposição, Suga diz que ‘nunca colocou olimpíadas em primeiro lugar’

O primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, disse na segunda-feira que nunca “colocou as Olimpíadas em primeiro lugar”, no mesmo dia em que uma pesquisa de opinião mostrou que quase 60% das pessoas no Japão querem que as Olimpíadas sejam canceladas menos de três meses antes de começarem.

O Japão prorrogou o estado de emergência em Tóquio até o final de maio e está lutando para conter uma onda de casos COVID-19, levantando mais questões sobre se os Jogos devem continuar. Sua taxa de vacinação é a mais baixa entre as nações ricas.

  • Projeto Mulheres
  • Publicidade e Marketing digital
  • Imobiliária Homestation
  • Educação financeira e curso de investimento
  • Renorn Network Internet
  • Renovation Master School

Autoridades olímpicas internacionais, planejadores de Tóquio e o próprio Suga insistiram que os Jogos continuarão de forma “segura e segura”. Espectadores estrangeiros foram barrados e planejadores emitiram um elaborado manual de regras no mês passado com o objetivo de prevenir infecções por coronavírus.

Mas uma pesquisa de opinião pública, realizada de 7 a 9 de maio pelo diário Yomiuri Shimbun, mostrou que 59% queriam que os Jogos fossem cancelados, contra 39% que disseram que deveriam ser realizados. “Adiamento” não foi oferecido como opção.

Outra pesquisa realizada no fim de semana pela TBS News constatou que 65% queriam que os Jogos fosse cancelado ou adiado novamente, com 37% votando para cancelar o evento completamente e 28% pedindo outro atraso. Mais de 300.000 pessoas assinaram uma petição para cancelar os Jogos em cerca de cinco dias desde que foi lançado.

Perguntado em uma reunião da comissão parlamentar se os Jogos continuarão mesmo se as infecções do COVID-19 aumentarem, Suga respondeu: “Eu nunca coloquei as Olimpíadas em primeiro lugar”.

“Minha prioridade tem sido proteger a vida e a saúde da população japonesa. Primeiro devemos evitar a propagação do vírus”, acrescentou.

Ele repetiu que o Comitê Olímpico Internacional (COI) tem a palavra final sobre o destino dos Jogos e que o papel do governo é tomar medidas para que possam ser realizadas com segurança.

A pesquisa da TBS constatou que a taxa de aprovação pública de Suga estava em 40%, perto dos recordes de baixas marcados no início deste ano.

O principal funcionário olímpico John Coates disse no sábado que, embora o sentimento japonês sobre os Jogos “fosse uma preocupação” ele poderia prever nenhum cenário sob o qual a extravagância esportiva não iria adiante.

Mas no domingo, a tenista japonesa Naomi Osaka disse que, embora tenha esperado a vida toda para participar dos Jogos Olímpicos, os riscos de realizar os Jogos de Tóquio devem ser cuidadosamente discutidos.

Os Jogos estão marcados para abrir em 23 de julho e vão até 8 de agosto.

 

Fonte: Asahi