EUA e Alemanha apoiam a Lituânia em disputa com a China por causa de Taiwan

Os Estados Unidos e a Alemanha apoiaram na quarta-feira a Lituânia em sua briga com a China, dizendo que a pressão exercida por Pequim contra o pequeno país báltico era injustificada.

A Lituânia rompeu com o costume diplomático no ano passado, permitindo que o escritório taiwanês em Vilnius tivesse o nome de Taiwan, em vez de Taipé Chinês, que a maioria dos outros países usa para evitar ofender Pequim.

  • Educação financeira e curso de investimento
  • Renovation Master School
  • Publicidade e Marketing digital
  • Projeto Mulheres
  • Imobiliária Homestation

A China considera Taiwan parte de seu território sem direito a reconhecimento diplomático, e a ação da Lituânia enfureceu Pequim, que retirou seu embaixador em Vilnius e expulsou o embaixador lituano em Pequim.

“Temos preocupação imediata com as tentativas do governo da China de intimidar a Lituânia, um país com menos de 3 milhões de habitantes”, disse o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, após uma reunião em Washington com seu homólogo alemão.

Blinken disse que a China tem pressionado as empresas europeias e americanas a pararem de fabricar produtos com componentes feitos na Lituânia, sob o risco de perder acesso ao mercado chinês.

“Não se trata apenas da Lituânia, mas de como cada país do mundo deve ser capaz de determinar sua própria política externa livre desse tipo de coerção”, disse ele, acrescentando que os EUA trabalhariam com seus aliados para diversificar as cadeias de abastecimento e combater “todas as formas de chantagem econômica”.

A ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, disse que “nós, como europeus, somos solidários ao lado da Lituânia”.

A principal autoridade comercial da UE disse no mês passado que o bloco resistiria às medidas coercitivas impostas ao seu estado-membro, a Lituânia, citando relatos de alfândegas chinesas bloqueando as importações do país. Valdis Dombrovskis, vice-presidente da Comissão Europeia da Letônia, disse que, se necessário, a UE levará o assunto à Organização Mundial do Comércio.

 

Fonte: mainichi