Fontes informam que ex-primeiro-ministro do Japão foi interrogado sobre escândalo relacionado a fundos políticos

Fontes informam que ex-primeiro-ministro do Japão foi interrogado sobre escândalo relacionado a fundos políticos

Fontes informam que ex-primeiro-ministro do Japão foi interrogado sobre escândalo relacionado a fundos políticos

Fontes informaram que a promotoria de Tóquio interrogou nesta segunda-feira, o ex-primeiro-ministro japonês Abe Shinzo de forma voluntária, sobre alegadas violações de fundos políticos envolvendo seus simpatizantes.

Segundo as fontes, um dos secretários de Abe, que lidera seu grupo de apoio, estaria sob investigação por suspeita de violar a lei de controle dos fundos políticos. O secretário é suspeito de não ter declarado rendas e gastos relacionados a festas anuais oferecidas por Abe aos seus simpatizantes em hotéis de Tóquio. As festas foram realizadas às vésperas de eventos de apreciação das flores de cerejeiras quando Abe ainda exercia o cargo de primeiro-ministro.

  • Projeto Mulheres
  • Imobiliária Homestation
  • Renorn Network Internet
  • Renovation Master School
  • Publicidade e Marketing digital
  • Educação financeira e curso de investimento

O total dos gastos com tais festas ultrapassou os 190 mil dólares nos cinco anos até 2019. Acredita-se que o lado de Abe tenha pago pelo menos 77 mil dólares deste total, mas o grupo de apoio, que sediou as festas, não mencionou o pagamento dessas despesas em relatórios de fundos políticos.

Abe disse ao Parlamento repetidas vezes que todas as despesas relacionadas às festas haviam sido pagas pelos participantes, e que seu escritório e grupo de apoio não tinham nenhuma receita ou gastos a serem registrados nos relatórios de fundos.

Falando à NHK no dia 24 de novembro, fontes próximas ao ex-premiê disseram que seus funcionários haviam decidido que seria inevitável colocá-lo numa posição de afirmar algo contrário aos fatos, já que eles não mencionaram nenhum registro sobre as festas nos relatórios de fundos.

Acredita-se que a promotoria teria perguntado a Abe se ele sabia algo sobre os relatórios ou outros detalhes, e que o ex-primeiro-ministro estaria negando qualquer envolvimento.

 

Fonte: NHK