Guerra russa ameaça abastecimento global de alimentos: ministros agrícolas do G-7

Ministros agrícolas do Grupo dos Sete principais países desenvolvidos acusaram na sexta-feira a Rússia de ameaçar o abastecimento global de alimentos ao invadir a Ucrânia, um grande produtor agrícola, e levar mais pessoas à fome.

Em um comunicado conjunto divulgado após uma reunião online, os ministros do G-7 também prometeram garantir o fornecimento de alimentos ao povo ucraniano e apoiar sua indústria agrícola, enquanto compartilham preocupações sobre o ataque militar de Moscou desde 24 de fevereiro, causando novos aumentos nos preços dos alimentos.

  • Publicidade e Marketing digital
  • Imobiliária Homestation
  • Renovation Master School
  • Projeto Mulheres
  • Educação financeira e curso de investimento

“Estamos profundamente preocupados com os impactos na segurança alimentar e com o número crescente de pessoas que sofrem de fome e todas as formas de desnutrição, causadas pela guerra de agressão russa não provocada e injustificável”, disseram.

“Isso só aumentará o sofrimento na região e pressionará a segurança alimentar globalmente”.

A situação também está se somando à “situação já grave causada pelo COVID-19, mudanças climáticas e perda de biodiversidade”, disseram os ministros.

Os ministros da Grã-Bretanha, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e Estados Unidos, além da União Europeia, participaram do encontro virtual.

As preocupações com a oferta podem acelerar os “preços já altos das commodities agrícolas” e afetar “a segurança alimentar e nutricional para países e populações vulneráveis”, uma vez que a Ucrânia é o quarto maior fornecedor de trigo do mundo e produz metade das exportações globais de óleo de girassol, disseram eles. .

“As nações do G-7 precisam cooperar na tomada de iniciativas para evitar que os suprimentos de alimentos, especialmente aqueles para países em desenvolvimento dependentes de importações, fiquem empilhados”, disse o ministro da Agricultura japonês, Genjiro Kaneko, a repórteres após participar das negociações.

O ministro da Fazenda ucraniano, Roman Leshchenko, que também participou da reunião, foi citado por Kaneko dizendo que a Ucrânia perdeu seus portos para enviar produtos agrícolas para o exterior, e o óleo diesel para máquinas agrícolas foi desviado para fins militares.

Eles também concordaram com a necessidade de garantir “a capacidade dos agricultores ucranianos de alimentar sua população”, enquanto se comprometem a “fazer o que for necessário para prevenir e responder a uma crise alimentar, inclusive com ajuda humanitária”.

As negociações acontecem no momento em que o ataque militar da Rússia levou a um aumento no preço global dos grãos.

“Quero contribuir com as discussões para que as nações do G-7 possam transmitir uma mensagem forte que ajude a manter a fluidez do mercado global de alimentos durante esta crise”, disse Kaneko em entrevista coletiva no início do dia.

A Rússia e a Ucrânia juntas respondem por cerca de 30% do total das exportações mundiais de trigo.

O Japão não compra trigo dos dois países, mas depende de importações principalmente dos Estados Unidos e Canadá para cerca de 85% de seu consumo doméstico de trigo, de acordo com o Ministério da Agricultura japonês.

 

Fonte: mainichi