Horas extras para funcionários do Japão que lidam com COVID-19 levanta preocupação

Secretário-Chefe do Gabinete Katsunobu Kato. (Mainichi/Kan Takeuchi)

Horas extras para funcionários do Japão que lidam com COVID-19 levanta preocupação

O principal porta-voz do governo do Japão expressou nesta segunda-feira preocupação com as quantidades excessivas de horas extras que estão sendo colocadas pelas autoridades encarregadas de lidar com a pandemia COVID-19, descrevendo o trabalho de quase 400 horas extras por mês como “muito anormal”.

O apelo do secretário-chefe do Gabinete Katsunobu Kato para uma revisão de sua carga de trabalho veio depois que os números mostraram sexta-feira que os funcionários do Gabinete do Gabinete do Secretariado de Controle de Doenças Coronavírus estavam no escritório em média 124 horas fora do horário normal de trabalho, com uma pessoa marcando 391 horas.

  • Publicidade e Marketing digital
  • Renovation Master School
  • Projeto Mulheres
  • Educação financeira e curso de investimento
  • Renorn Network Internet
  • Imobiliária Homestation

Yasutoshi Nishimura, ministro encarregado da resposta do COVID-19 do país, pediu desculpas por permitir horas extras muito acima das diretrizes trabalhistas do governo e prometeu implementar reformas para “aliviar o fardo” de sua equipe.

O Ministério da Saúde, Trabalho e Previdência estabelece o limite para determinar o excesso de trabalho como causa de morte ou doença em 100 horas extras no mês anterior ou uma média de 80 horas nos dois a seis meses anteriores.

Na sexta-feira, Taro Kono, ministro encarregado da reforma do serviço público, descreveu a situação como “mais negra que negra”.

Nishimura disse que sua equipe acumulou as longas horas em janeiro por causa do trabalho relacionado à declaração do primeiro-ministro Yoshihide Suga de estado de emergência na área metropolitana de Tóquio, bem como uma revisão da lei de medidas especiais sobre medidas de coronavírus.

O Office for Novel Coronavirus Disease Control tinha 102 membros até o final de janeiro, sem nenhum usando a opção de trabalhar em casa, de acordo com a resposta por escrito do governo a uma pergunta do legislador Kiyoshi Adachi.

Os funcionários passaram 104 horas no escritório fora do horário normal de trabalho em novembro e 89 horas em dezembro.

 

Fonte: Mainichi