Japão pode atrasar calendário da COVID-19 para inoculação de idosos

Japão pode atrasar calendário da COVID-19 para inoculação de idosos

O Japão planeja começar a inocular pessoas idosas apenas depois de terem sido administradas as vacinas do coronavírus para os profissionais de saúde da linha da frente, possivelmente atrasando a data inicialmente prevista para os idosos em abril, disse esta segunda-feira um alto funcionário do governo.

A medida visa garantir um fornecimento estável da vacina da Pfizer Inc, que foi formalmente aprovada pelo Ministério da Saúde no domingo, disse o responsável. Cerca de 3,7 milhões de profissionais de saúde vão começar a receber a vacina em março, seguindo-se 36 milhões de pessoas com 65 anos ou mais desde 1 de abril.

  • Renorn Network Internet
  • Educação financeira e curso de investimento
  • Imobiliária Homestation
  • Projeto Mulheres
  • Renovation Master School
  • Publicidade e Marketing digital

Mas, segundo outro funcionário do governo, é incerto quando é que o Japão pode receber remessas subsequentes e quanto, na sequência do reforço da União Europeia dos controlos das exportações de vacinas. A Pfizer também deverá atrasar o seu plano de aumentar a capacidade de produção a partir de março.

Mas uma vez assegurado o fornecimento suficiente de vacinas, as inoculações ainda podem ocorrer simultaneamente para as linhas frontais e os idosos.

Depois de um total de 3 milhões de doses serem administradas ao público em geral, o Japão vai analisar os potenciais efeitos colaterais causados por várias vacinas coronavírus, informou esta segunda-feira o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar.

O ministério convidará os participantes a responder ao seu inquérito após a inoculação para idosos e planeia rastrear efeitos secundários comuns, como febre e fadiga entre três vacinas diferentes, incluindo a Pfizer.

Cerca de 10.000 a 20.000 profissionais de saúde vão começar a receber a primeira dose da vacina Pfizer em 17 de fevereiro. O governo recolherá e divulgará periodicamente detalhes sobre todos os efeitos colaterais experimentados, independentemente de a vacina ser a causa.

Também fornecerá informações sobre a segurança das vacinas obtidas do inquérito após o início das inoculações para o público em geral.

Espera-se que o inquérito cubra cerca de 500.000 pessoas por dose única de cada versão da vacina. Um total de 3 milhões de doses serão necessárias se o governo incluir doses doses dos farmacêuticos AstraZeneca Plc e Moderna Inc, ao lado da Pfizer.

 

Fonte: Japan Today