Kim da Coreia do Norte promete aumentar capacidade nuclear em desfile militar

O líder norte-coreano Kim Jong Un, ao centro, participa de um desfile militar em Pyongyang em 25 de abril de 2022, conforme relatado no Rodong Sinmun da Coreia do Norte no dia seguinte.

O líder norte-coreano Kim Jong Un prometeu reforçar as capacidades nucleares de seu país na “velocidade máxima” em um discurso proferido em um desfile militar para marcar o 90º aniversário da fundação do exército do país, estatal mídia informou terça-feira.

No primeiro desfile militar na Praça Kim Il Sung de Pyongyang desde janeiro de 2021, realizado na noite de segunda-feira, mísseis balísticos, incluindo um novo tipo de míssil balístico intercontinental Hwasong-17, foram exibidos, informou a Agência Central de Notícias da Coreia.

  • Renovation Master School
  • Imobiliária Homestation
  • Educação financeira e curso de investimento
  • Projeto Mulheres
  • Publicidade e Marketing digital

Acredita-se que o Hwasong-17 seja capaz de lançar uma ogiva nuclear em qualquer lugar do território continental dos Estados Unidos.

O principal jornal Rodong Sinmun do país divulgou fotos do desfile mostrando muitas outras armas, incluindo o que parecem ser mísseis balísticos hipersônicos e lançados por submarinos.

Kim disse que a força nuclear do país é um “símbolo do poder nacional” e deve ser fortalecida ainda mais, segundo a KCNA, ressaltando que não tem intenção de abandonar suas capacidades nucleares. Ele acrescentou que usará “dissuasão” nuclear a qualquer momento, se necessário.

As negociações bilaterais entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos sobre a desnuclearização e o alívio das sanções estão paradas há mais de dois anos.

Nos últimos anos, a Coreia do Norte realizou desfiles militares, com o objetivo de aumentar o orgulho nacional, à noite para animar o clima festivo por meio de luzes coloridas, disseram especialistas em relações exteriores.

A mídia sul-coreana informou no domingo que havia sinais de preparativos para um grande desfile militar em Pyongyang no aniversário da fundação do Exército Revolucionário do Povo Coreano, o antecessor do atual Exército do Povo Coreano.

25 de abril de 1932, é o dia em que a Coreia do Norte diz que seu fundador Kim Il Sung, avô de Kim Jong Un, começou a organizar uma força de guerrilha anti-japonesa.

A Coreia do Norte se absteve de testes nucleares e ICBM, bem como de um desfile militar em 15 de abril, o 110º aniversário do nascimento de Kim Il Sung – o feriado mais significativo do país conhecido como “Dia do Sol”.

Em 24 de março, no entanto, a Coreia do Norte fez o primeiro lançamento de um ICBM desde novembro de 2017, marcando o fim de sua moratória autoimposta sobre esses disparos que se estenderam até abril de 2018. A KCNA disse que o míssil era um Hwasong-17.

Pyongyang disse no início deste ano que pode reiniciar todas as “atividades” que havia suspendido temporariamente para construir confiança com o ex-presidente dos EUA Donald Trump, antecessor do presidente Joe Biden, enquanto instava Washington a mudar sua “política hostil”.

Enquanto isso, a mídia estatal da Coreia do Norte disse na sexta-feira que Kim e o presidente sul-coreano Moon Jae In trocaram cartas pessoais e compartilharam a visão de que os laços inter-coreanos “melhorariam” se ambos os lados “fazerem esforços incansáveis ​​com esperança”.

O relatório veio poucos dias depois que a Coreia do Sul e seu aliado de defesa, os Estados Unidos, iniciaram seus exercícios militares conjuntos de primavera, que a Coreia do Norte classificou como um “ensaio” para a guerra.

Em 17 de abril, a KCNA informou que Kim observou o teste de disparo de uma “arma guiada tática de novo tipo” no dia anterior. Alguns analistas dizem que ele pode carregar uma arma nuclear tática que poderia ser usada em um ataque limitado.

Os Estados Unidos e a Coreia do Norte permanecem tecnicamente em estado de guerra, pois a Guerra da Coreia de 1950-1953, na qual as forças da ONU lideradas pelos EUA lutaram ao lado do Sul contra o Norte apoiado pela China e pela União Soviética, terminou em um armistício, não em um tratado de paz.

 

Fonte: (via Mainichi)