Mais de 150 mulheres no Japão recorreram a banco de esperma em meio à ausência de regras

A foto de arquivo fornecida mostra um tanque de nitrogênio armazenando canudos de esperma, dentro de uma caixa de transporte para o envio de esperma de doadores. (Foto cortesia da Cryos International)(Kyodo)

Mais de 150 mulheres no Japão recorreram a banco de esperma em meio à ausência de regras

Mais de 150 mulheres no Japão recorreram a um grande banco de esperma sediado na Dinamarca, em meio à ausência de regras sobre transações comerciais relacionadas a espermatozóides e óvulos, disse a empresa na terça-feira.

A Cryos International, o maior banco de esperma do mundo com cerca de 1.000 doadores registrados, lançou serviços de consultoria no Japão em fevereiro de 2019 com o objetivo de expandir sua operação local.

Desde então, forneceu esperma a indivíduos em 30 das 47 prefeituras do país, incluindo mulheres solteiras, minorias sexuais e mulheres cujos maridos são inférteis, disse a empresa.

  • Projeto Mulheres
  • Renorn Network Internet
  • Imobiliária Homestation
  • Publicidade e Marketing digital
  • Renovation Master School
  • Educação financeira e curso de investimento

O Japão, que tem uma taxa de natalidade cada vez menor e uma população envelhecida, adiou as discussões sobre o estabelecimento de regras para a venda e compra de espermatozoides e óvulos.

Um panfleto japonês compilado pelo banco de esperma Cryos International. (Kyodo)
A Câmara dos Vereadores começou na terça-feira a deliberar sobre um projeto de lei relacionado à medicina reprodutiva auxiliar usando espermatozoides e óvulos doados por terceiros, mas adiou as discussões sobre transações comerciais.

A Sociedade Japonesa de Obstetrícia e Ginecologia não permite que seus membros realizem transações de esperma com fins lucrativos.

Há dois anos, o Hospital Universitário Keio, que era um dos principais hospitais do Japão que oferecia inseminação artificial por doador, parou de aceitar novos receptores devido à queda no número de doadores anônimos de esperma.

“Vimos um aumento do interesse e da demanda devido à difícil situação do tratamento de fertilidade”, disse Hiromi Ito, que comanda a operação da empresa no Japão. “Gostaríamos de oferecer nosso banco de esperma como opção para quem precisa, respeitando os direitos dos doadores, pais e recém-nascidos”.

A empresa forneceu esperma, principalmente de cidadãos americanos e europeus, para indivíduos e instalações médicas em cerca de 100 países desde que foi fundada em 1987 e mais de 65.000 pessoas nasceram como resultado, disse.

Fonte: Kyodo