Mesmo com a vacina, a propagação da variante do coronavírus pode sair do controle: especialista japonês

O edifício principal da Universidade de Tsukuba é visto em Tsukuba, província de Ibaraki, nesta foto de arquivo de 26 de março de 2020. (Mainichi/Takuya Yoshida)

Mesmo com a vacina, a propagação da variante do coronavírus pode sair do controle: especialista japonês

Se as variantes do coronavírus continuarem se espalhando, os números de infecções em Tóquio podem superar os surtos anteriores, mesmo com a vacinação sendo administrada, de acordo com estimativas de um especialista em modelagem de doenças da Universidade de Tsukuba, no Japão.

“Além de reforçar o monitoramento das cepas variantes, as pessoas precisam manter medidas anti-infecções, como evitar os ‘três C’ (espaços confinados, lugares lotados e ambientes de contato próximo), especialmente na área metropolitana de Tóquio”, disse o professor Setsuya Kurahashi ao Mainichi Shimbun.

  • Projeto Mulheres
  • Publicidade e Marketing digital
  • Renovation Master School
  • Imobiliária Homestation
  • Renorn Network Internet
  • Educação financeira e curso de investimento

Variantes de vírus são produzidas quando, à medida que um vírus se multiplica, seu código genético sofre mutações. A frequência dessas alterações depende da escala de um surto, e acredita-se que o coronavírus mute cerca de uma vez a cada duas semanas, em média.

As autoridades globais estão, no momento, em alerta para três variantes, uma cada originária da Grã-Bretanha, África do Sul e Brasil. Todos os três têm uma alteração “N501Y” nos 501 aminoácidos que compõem as “proteínas de espigão” na parede externa do vírus, que permitem infectar as células de um hospedeiro. Todos eles também são considerados mais infecciosos do que a versão original. As variantes sul-africanas e brasileiras também têm uma mudança chamada “E484K”, que alguns especialistas disseram que poderia reduzir a eficácia da resposta imune contra a infecção.

Se as infecções com essas variantes se espalharem, o que acontecerá? Para esclarecer essa questão, o professor Kurahashi fez estimativas de mudanças nos novos números diários de casos para as variantes britânica e sul-africana em Tóquio, levando em conta as vacinas.

Para a simulação, Kurahashi estabeleceu a taxa R – a taxa de reprodução, ou quantas mais pessoas recebem o vírus de uma pessoa infectada – no mesmo ritmo visto a partir de 1º de junho de 2020, depois que o primeiro estado de emergência coronavírus do Japão foi levantado. Ele também assumiu que a população de Tóquio se moveria com o mesmo aumento da taxa observada no período de declaração pós-emergência.

A simulação começa com 10 casos confirmados de variante coronavírus na capital japonesa a partir de 21 de março deste ano. Também tem vacinação limitada para pessoas comuns a partir de março — embora, na verdade, apenas os médicos estavam recebendo as vacinas na época — e inoculações para pessoas de todas as idades a partir de junho, com cerca de 70.000 pessoas recebendo a vacina todos os dias. A simulação pressupõe que 95% daqueles que recebem as duas vacinas não serão infectados.

Sob a simulação para a variante britânica, os números gerais de casos de coronavírus de Tóquio começam a aumentar a partir de junho, atingindo mais de 1.000 infecções diárias apenas da variante no início de setembro.

Para a variante sul-africana, a simulação assumiu que a eficácia da vacina cairia pela metade. Nesse cenário, os números diários de infecção superam os 1.000 no início de agosto, e continuam a aumentar constantemente depois disso. Se a infecção se expandisse continuamente da mesma forma que o coronavírus original, os números seriam ainda maiores.

“Se as variantes se espalharem, os números de casos podem aumentar a um ritmo acelerado”, disse Kurahashi. “Mesmo com a vacina, sem medidas severas como restringir a saída das pessoas, pode se tornar difícil controlar as infecções.”

 

Fonte: Mainichi