Mitsubishi é pega no escândalo do “dispositivo de desligamento” e se junta a outras empresas que usaram o mecanismo ilegal

Mitsubishi é pega no escândalo do “dispositivo de desligamento” e se junta a outras empresas que usaram o mecanismo ilegal

Segundo promotores na Alemanha, há suspeitas de fraude nas emissões de diesel dos motores da empresa de automóveis japonesa Mitsubishi Motors. A empresa negou que seus motores possuam um dispositivo para fazê-los parecer menos poluentes.

Segundo as investigações, a fraude ocorre nos veículos a diesel com motores de 1,6 e 2,2 litros. Na Alemanha, eles receberam como classificação Euro 5 e Euro 6, as mais altas em padrões de emissões. Os promotores do caso suspeitam do uso de dispositivos de “desligamento”, que fazem os carros parecerem menos poluentes nos testes.

  • Imobiliária Homestation
  • Renovation Master School
  • Publicidade e Marketing digital
  • Educação financeira e curso de investimento
  • Projeto Mulheres

A Mitsubishi se manifestou e disse que os motores 1,6 litros foram fabricados pelo PSA Group, dono da Peugeot e Citroen. No comunicado, a empresa não comentou sobre os motores 2,2 litros, mas afirmou que não usa o dispositivo de “desligamento”. Além disso, falou que não há motivos para as suspeitas das autoridades do Ministério Público de Frankfurt.

O caso da Mitsubishi é mais um dentro do escândalo do “dieselgate” que começou em 2015. Os escândalos automobilísticos iniciaram com a Volkswagen que admitiu que instalou softwares em cerca de 11 milhões de seus veículos em todo o mundo. Dispositivos com a mesma função dos descobertos nos motores da Mitsubishi, burlar os testes de poluição.

O que são os “dispositivos de desligamento”?

Os chamados “dispositivos de desligamento” ou “dispositivos de derrota” fazem com que os carros emitam até 40 vezes mais óxido de nitrogênio do que é permitido, sem serem descobertos. Eles fazem os carros aparentarem ser menos poluentes.

O escândalo já envolveu diversas empresas de automóveis e a mais recente foi a Mitsubishi Motors, que até então não havia sido envolvida no caso. No entanto, é preciso lembrar que a empresa já esteve envolvida em outras ilegalidades reveladas em 2016, ao falsificar testes de economia de combustível durante 25 anos. Essas falsificações faziam os carros parecerem mais eficientes do que realmente eram.

Fonte: https://japantoday.com/category/crime/mitsubishi-motors-denies-emissions-test-fraud-after-german-raids