Pesquisa: 76% dos eleitores criticam medidas do vírus e programa de vacinação

Pesquisa: 76% dos eleitores criticam medidas do vírus e programa de vacinação

Setenta e seis por cento dos eleitores acreditam que as medidas pré-emergenciais do governo “não são suficientes” para impedir a propagação do COVID-19, e a mesma proporção disse que o programa de vacinação estava funcionando “devagar”, mostrou uma pesquisa da Asahi Shimbun.

O inquérito telefônico nacional foi realizado nos dias 10 e 11 de abril, após a aplicação das medidas pré-emergenciais para municípios das três prefeituras de Osaka, Hyogo e Miyagi em 5 de abril. Eles também foram aplicados nas prefeituras de Tóquio, Quioto e Okinawa em 12 de abril.

  • Renorn Network Internet
  • Educação financeira e curso de investimento
  • Publicidade e Marketing digital
  • Projeto Mulheres
  • Imobiliária Homestation
  • Renovation Master School

Apenas 16% dos entrevistados disseram que essas medidas, equivalentes às de estado de emergência, são “suficientes” para prevenir os novos surtos de infecções por vírus nessas áreas.

Entre os entrevistados que aprovam o Gabinete Suga, 66% disseram que as medidas pré-emergência “não são suficientes”. Além disso, 90% dos eleitores que desaprovam o Gabinete estavam pessimistas sobre as medidas.

O índice de aprovação do Gabinete permaneceu inalterado em 40% da pesquisa de março, enquanto o índice de desaprovação permaneceu em 39%.

Em relação aos esforços do governo para vacinar as pessoas em todo o país, 76% disseram que está “indo devagar” enquanto 17% disseram que está “indo bem”.

Vinte e nove por cento dos entrevistados fizeram uma alta avaliação para as respostas do governo à nova pandemia coronavírus, em comparação com 61% que deram notas baixas.

A última pesquisa quebrou o que havia sido melhorias na visão do público sobre os esforços do governo para lidar com a crise de saúde. Na pesquisa de fevereiro, 31% dos entrevistados fizeram uma alta avaliação, seguido por 35% que o fizeram em março.

A pesquisa de 10 a 11 de abril entrou em contato com 1.157 números de telefone fixo de domicílios com pelo menos um eleitor elegível e 2.006 números de telefone celular de eleitores, ambos selecionados aleatoriamente por computador.

Recebeu 630 respostas válidas de números de telefone fixos, ou 54%, e 921 respostas válidas, ou 46%, dos números de telefone celular.

 

Fonte: Asahi