Pesquisa mostra que 7 entre cada 10 brasileiros acreditam em falsas notícias sobre vacinas

Pesquisa mostra que 7 entre cada 10 brasileiros acreditam em falsas notícias sobre vacinas

Em pesquisa encomendada pela Avaaz (ONG de mobilização social através da internet) e pela SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), realizada em 27 países, constatou-se que sete brasileiros em cada dez já acreditaram em notícias falsas que propagavam a antivacinação. A pesquisa também revelou que o Brasil é o país que mais acredita em notícias falsas em todo o mundo.

O estudo ainda aponta que grande parte dos entrevistados não se vacinam, devido à falta de informações sobre o assunto. E que, cerca de metade dos entrevistados (48%), usam redes sociais e aplicativos de mensagens para se informar sobre vacinação, sendo a grande maioria, jovens e homens.

  • Imobiliária Homestation
  • Publicidade e Marketing digital
  • Projeto Mulheres
  • Renorn Network Internet
  • Educação financeira e curso de investimento
  • Renovation Master School

Entre as “fake news”, que circulam pela redes e aplicativos, estão informações que dizem que vacinas são uma forma de esterilizar a população e que fazem mal para as crianças, causando efeitos irreparáveis. Além disso, há falsas notícias que afirmam que as vacinas contêm vírus de câncer e fungos de câncer.

Muitos sites que publicam essas “fake news” tem como objetivo a obtenção de lucro, pois, junto com as notícias falsas, são encontrados links para compra de livros sobre métodos naturais de prevenção, e curas milagrosas. Ainda segundo a pesquisa, muitas dessas informações tem origem em sites e redes dos EUA, sendo traduzidas e republicadas por contas brasileiras.

Atualmente as metas de vacinação no Brasil estão abaixo da taxa ideal, e isso tem levado ao surgimento de epidemias como a de sarampo. Segundo o Ministério da Saúde, em 2015, a taxa de vacinação era de 96%, e, até outubro deste ano, de apenas 57%. Também foram registradas quedas gigantescas na vacinação contra poliomielite.

O Brasil possui um dos maiores programas de vacinação gratuita através do SUS, sendo modelo na eliminação de diversas doenças. No entanto, devido ao grupo antivacina, o aumento no surgimento e compartilhamento de notícias falsas sobre vacinação e a desinformação da população sobre o assunto, tem aumentado o número de casos de várias doenças, levando a morte de crianças não vacinadas.

Redes sociais como Facebook, Whatsapp e YouTube afirmam que estão trabalhando para combater esse tipo de conteúdo, compartilhado em suas páginas.

Fonte:https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/sete-em-cada-dez-brasileiros-ja-acreditaram-em-fake-news-sobre-vacina-diz-estudo-24073494

https://www.google.com/amp/s/noticias.r7.com/saude/sete-em-cada-dez-acreditam-em-alguma-fake-news-sobre-vacinacao-12112019%3famp