Tribunal de Seul rejeita pedido de trabalho escravo contra 16 empresas japonesas

Um tribunal sul-coreano rejeitou na segunda-feira uma reivindicação de dezenas de trabalhadores de fábricas coreanas da Segunda Guerra Mundial e seus parentes que buscaram indenização de 16 empresas japonesas por seu trabalho escravo durante a ocupação colonial do Japão na Coreia.

A decisão do Tribunal Central do Distrito de Seul pareceu concorrer contra decisões históricas da Suprema Corte em 2018 que ordenaram que a Nippon Steel e a Mitsubishi Heavy Industries compensassem os trabalhadores forçados coreanos.

  • Imobiliária Homestation
  • Renorn Network Internet
  • Renovation Master School
  • Publicidade e Marketing digital
  • Educação financeira e curso de investimento
  • Projeto Mulheres

Alinha-se em grande parte com a posição mantida pelo governo japonês, que insiste que todas as questões de compensação em tempo de guerra foram resolvidas sob um tratado de 1965 que normaliza as relações entre as duas nações que foi acompanhada por centenas de milhões de dólares em ajuda econômica e empréstimos de Tóquio a Seul.

Um total de 85 demandantes haviam solicitado um total de 8,6 bilhões de won (US$ 7,7 milhões) em danos de 16 empresas japonesas, incluindo Nippon Steel, Nissan Chemical e Mitsubishi Heavy Industries.

O tribunal rejeitou sua ação civil depois de concluir que o tratado de 1965 não permite que cidadãos sul-coreanos prossigam com ações legais contra o governo japonês ou cidadãos por causa de queixas em tempo de guerra. Aceitar a alegação dos demandantes violaria os princípios legais internacionais de que os países não podem usar o direito interno como justificativa para falhas na execução de um tratado, disse o tribunal.

Alguns queixosos disseram a repórteres fora do tribunal que planejavam apelar. Lim Chul-ho, 85 anos, filho de um trabalhador forçado falecido, disse que o tribunal tomou uma decisão “patética” que nunca deveria ter acontecido.

“Eles são realmente juízes sul-coreanos? Isso é realmente uma corte sul-coreana?”, perguntou ele. “Não precisamos de um país ou governo que não proteja seu próprio povo.”

Não ficou imediatamente claro como a decisão afetaria a diplomacia entre os aliados afastados dos EUA, que enfrentaram pressão do governo Biden para reparar as relações que afundaram para baixos pós-guerra durante os anos Trump ao longo da história e disputas comerciais.

O Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Sul disse em um comunicado que respeita as decisões dos tribunais nacionais e está disposto a iniciar conversações com Tóquio para encontrar soluções “racionais” que possam satisfazer tanto os governos quanto as vítimas em tempo de guerra.

O secretário-chefe do Gabinete japonês, Katsunobu Kato, disse que Tóquio estava observando cuidadosamente os desenvolvimentos na Coreia do Sul e esperando que Seul tomasse uma ação responsável para melhorar os laços. Ele disse que as relações bilaterais ainda estavam em “condições severas” devido a questões relacionadas com trabalhadores forçados coreanos e escravos sexuais em tempo de guerra.

“Acreditamos que é importante que a Coreia do Sul aja com responsabilidade para resolver os problemas pendentes entre os dois países e estaremos observando propostas concretas do lado sul-coreano destinadas a resolver os problemas”, disse Kato em uma coletiva de imprensa.

Os autores da ação haviam dito que os trabalhadores sofriam condições severas que causavam dor mental e física “extrema” que os impediam de retomar vidas normais depois que voltassem para casa no final da guerra.

O tribunal de Seul disse em sua decisão que tinha que considerar que forçar as empresas japonesas a compensar as vítimas causaria “reações adversas” significativas para a Coreia do Sul internacionalmente.

“Uma execução forçada (de compensação) violaria os grandes princípios constitucionais de garantir a segurança do país e manter a ordem, e constituiria um abuso de poder”, disse o tribunal, descrevendo sua decisão como uma decisão “inevitável”.

Em abril, o tribunal emitiu uma decisão semelhante sobre uma reivindicação de vítimas coreanas de escravidão sexual em tempo de guerra japonesa e seus parentes, outro ponto de atrito nas relações bilaterais. Nessa decisão, o tribunal negou seu pedido de indenização do governo do Japão, citando considerações diplomáticas e princípios do direito internacional que concedem aos países imunidade à jurisdição de tribunais estrangeiros.

As relações entre Seul e Tóquio estão tensas desde que a Suprema Corte da Coreia do Sul, em 2018, ordenou que a Nippon Steel e a Mitsubishi Heavy Industries compensassem os trabalhadores forçados coreanos. Essas decisões levaram a novas tensões sobre o comércio quando o Japão colocou controles de exportação em produtos químicos vitais para a indústria de semicondutores da Coreia do Sul em 2019.

Seul acusou Tóquio de armar o comércio e ameaçou rescindir um acordo de compartilhamento de inteligência militar com Tóquio que era um grande símbolo de sua cooperação de segurança de três vias com Washington. A Coreia do Sul eventualmente recuou e continuou o acordo depois de ser pressionada pelo governo Trump, que até então parecia contente em deixar seus aliados intensificarem sua rixa em público.

O tom da Coreia do Sul sobre o Japão amenizou desde a posse do presidente americano Joe Biden, que vem intensificando os esforços para reforçar a cooperação tridirecionária entre os países que declinaram sob a abordagem “América em primeiro lugar” de Donald Trump, para coordenar a ação diante da crescente influência da China e da ameaça nuclear da Coreia do Norte.

O presidente sul-coreano Moon Jae-in em um discurso televisionado nacionalmente em março disse que seu governo estava ansioso para construir laços “orientados para o futuro” com o Japão e que os países não deveriam permitir que seu passado de guerra os segurasse.

 

Fonte: Japan Today